domingo, 19 de junho de 2011

Paris...

Bom o que contar de Paris... Vou por em tópicos para ver se sintetizo melhor.

1)   Cidade grande: Tenho que dizer que ficamos um pouco decepcionada com a cidade. Não é tão glamorosa e bonita quanto pensávamos. Tão pouco apaixonante. Paris é imensaaaaaaaaaaa. Mesmo se hospedando no centro (infelizmente esse não foi o nosso caso) tem que andar muito, mas muito mesmo. Os pontos são até pertos um do outro, mas tem que bater muita canela assim mesmo. Acho que o city tour é uma excelente opção, pois em quatro dias você pode ver 50 pontos turístico. Mas o inconveniente é que custa, o mais barato, 28 euros dia. Outras opções é usar metro e bicicleta.

Ainda chegando a Paris. Nossa cara amassada enquanto as meninas ainda  dormem do outro lado.

Primeira visão da cidade.


Agora as bonitas já acordadas.
2)      Metro: tem uma malha incrível. Realmente é espetacular o acesso, tem toda hora e super fácil. Não custa muito caro se você compra logo de cara 10 viagens (12,00), mas comprando individual sai a 1,70 cada. Problema do metro: feio, velho, acabado, sujo de maisssssss, cheira muito mal.

Até as entradas são antigas.
Comprando bilhetes. Única coisa moderna é a máquina de atendimento automático.


3)      Bicicleta: tem em vários pontos da cidade e é uma boa opção. Sem falar que é um charme pedalar ao lado do Rio Sena. É super barato, não lembro o preço certinho, mas com menos de 5 euros você pode pedar o dia inteiro e há centenas de pontos para pegar e devolver. Problema: burocracia! Para pegar a bike tem que fazer um calção de 150 euros no cartão de crédito. Motivo pelo qual não andamos, além de estar chuvendo, acho que nosso cartão não ia passar um calção de 6x150 euros (900 euros).  

4)      Limpeza: há muito lixo na cidade inteira. Em todas as partes há lixo, nos bairros, centro e até mesmo nas ruas mais sofisticadas. Os pontos turísticos então fedem a xixi. Eu que antes ficava envergonhada com minha cidade, depois que conheci Paris, acho que é limpa até demais.

5)      Telefone: impressionante como não há telefone público. Para encontrar um telefone tivemos que andar mais 5 quarteirões e não aceitava moedas (embora tenha a explicação como fazer a chamada usando moedas), depois andamos para buscar lugares que vendiam cartão telefônico. Mais uns 3 quarteirões quando desisti. Ai enfim achei um lugar que vendia recarga pro meu celular, comprei mais descobrir, depois claro, que não podia fazer a recarga fora da Espanha e já aqui na Espanha o meu crédito não vale, por estou fora da França. Oh ódio. Dez euros jogados fora. Mas uma coisa lá tem a cada 100 metros: máquina de preservativos. Inacreditável!

6)      Inglês: Todo mundo fala que ir a França falando só inglês é assinar sentença de morte. Mentira completa. Foi super fácil. Taxista, açougueiro e jornaleiro: todos falam inglês. Ah não, teve só a exceção da mulher que trabalha no balcão de informação turísticas no metro não falava inglês. Outro mito que os Frances são estressados e sem educação. Pelo menos não vamos engrossar essas estatísticas. Com relação a isso foi muito tranqüilo.

7)      Albergue: Foi a primeira vez para todas que nos hospedamos em um albergue. Tivemos dificuldade para encontrar um no centro de Paris. Assim, logo, tivemos que pegar um mais afastado, mas escolhemos um que era perto de uma estação de metro. Ele era meio no subúrbio, mas as acomodações eram excelentes. Tinha uma estrutura tão boa que nos fez pensar era um hospital convertido em albergue.


Toda nossa bagagem. Pai fique orgulhoso da Isabella que conseguiu levar só uma mochila.

Nossas acomodações


No restaurante do albergue almoçando.

No café da manhã. Até que não era fraco não. Pão, croissant, cereal, suco de laranja, café ou seus derivados, iorgut.

8)   Perfumaria: inacreditável. Achamos que íamos morrer de comprar (no meu caso de vontade de comprar) perfumes baratos em Paris. Mas acreditem que só encontramos uma perfumaria em nosso trajeto durante os 2 dias e milhares de quilômetros que andamos.

9)      Souvenir: Quem esperava uma lembrancinha de Paris pode tirar o cavalinho da chuva. Os presentes são quase que inacessíveis. Um simples chaveiro 9 euros. Fala sério. Valorizamos muito nosso dinheirinho pra comprar souvenir tão caros. Até que outros itens, como roupa, não é tão caro. Mas ai já é presente!


10)  Comida: comer em Paris é um desafio. Há uma gama de restaurantes, mas um pouco mais caro. Um filé com fritas e refri custou nada mais nada mesmos que 20 euros. Ai depende do bolso pra comer melhor ou pior. Esse ai já deu pra gente. Afinal tínhamos que almoçar e jantar.

Na saida da Sacre Coeur... Pizzaria gostosa. Devoramos um mega cazone cada uma.

A Isabella ficou de bico na foto, porque o garçon apaixonou com a Tance e pediu para tirar uma foto. Enquanto isso , um casal ao nosso lado nao parava de rir da gente, porque nesse restaurante o garçon não entendia o que queriamos, então imperou a famosa mimica. Realmente foi hilário. Mas no fim deu tudo certo. Pedido certo, satisfeitas e conta paga. Que mais o que????????

11)  Louvre: Putz. Um dia é pouco se você quiser conhecer mesmo o Louvre. Imenso, imenso e imenso. Desculpe-nos nossa falta de cultura, mas para gente é demais, tão grande e nem tão emocionante (to deixando um monte de gente com raiva por dizer isso). Super cansativo, é lotado, parece shopping na semana do Natal. Gente esbarrando, empurrando pra ver os quadros. A Mona Lisa então, impossível tirar uma foto descente.  Ah, custa 10 euros a entrada, sem descontos. Mas os jovens da União Européia podem entrar de graça. Preconceito isso. (fotos abaixo)

  12)  Taxi: MICO DA VIAGEM. Esse eu tenho que contar em detalhes. Pedimos informação na rua para chegar a um ponto turístico. Mas ai, devido a uma referência errada no mapa, descemos a rua ao invés de subir. Equação simples: cansadas + ladeira gigante pela frente + chuva + frio + vento + último ponto do dia - energia = pegar um taxi. ((Comentário breve: toda vez que são mais de 3 passageiros tínhamos que pagar taxa extra. Vê se tem cabimento isso?!)) No taxi, com medo do taxista ficar dando volta com a gente e tentar nos enganar, fomos seguindo no mapa o itinerário. Beleza! Mas o detalhe é que conversarmos isso em português. Afinal o cara ia entender que a gente tava desconfiada da sua honestidade?! Resposta: CLARO!!! A peste do homem falava em Frances ou inglês com a gente. Escutando todo tempo a gente falando em português, mas logo depois ele conta pra gente que fala português. Ai que vergonha. Nenhuma de nós sabia onde enfiar a cara.

13)  Propaganda sexy: para finalizar os tópicos e deixar-los com as fotos que interessam, temos que comentar que ficamos escandalizadas com as publicidades que vimos. Gente cada uma que não da pra comentar. O povo tarado viu. Mas dá pra ter uma idéia só com o nível dessa abaixo.

Como disse muito bem a Carol, uma simples propaganda de refrigerante pode ser macabra.

A gente em Paris seguem as fotos que interessa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Hotel de Ville





Rio Sena


Catedral de Notre Dame




Pra deixar meus professores de História orgulhosos: Liberte, Egalite, Fraternite




O que seria da gente sem um mapa.

Chegando no Louvre




A Tance brigou com a gente pq não a posicionamos direito, mas olha só como ela fez com a gente também.









Vitória de Samotrácia

Veja como é facil ver a Mona Lisa








No nosso segundo dia em Paris começamos, claro, pela Torres Eiffel 



Meninas subindo no elevador da Torre para ver a vista de cima.










O tempo um pouco mais aberto, mas era só ilusão. Frio absurdo para verão, uns 15 graus com chuva e muito vento.

Única foto com todos juntos. Constance, Margarete, Isa, Ana , Carol e Guilherme, filho da Marga. Que por sinal é um amor de pessoa. Nos divertimos muito todos juntos.

Esses carros são tão comuns que em cem metros haviam dois desse.

Não sei o taxi que vocês pegam, mas eu só vou de mercedes.

Caminhando rumo a Champs Élysées, parei para fazer compras...

hugo, não queria estragar a surpresa, mas foi aqui que a Carol comprou vários presentes para o Júnior.



Arco do Triunfo





Carol perdendo seu papel de GPS para o Guilherme.

Sacre Coeur.





Bom, Paris foi mais ou menos isso. Nada tão especial, mas a viagem foi ótima. Nos divertimos muito e conhecemos mais um lugar!

Hasta luego!!! 

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir